Dieta Energética: Escolhendo o combustível apropriado para o desempenho do cavalo : Rancho São Miguel

Grup Porno
Posted by José Luiz Jorge | agosto - 30 - 2018 | 0 Comment

Traduzido e baseado em artigo sobre a pesquisa de JOE D. PAGAN
KER – Kentucky Equine Research, Versailles, Kentucky 2016

INTRODUÇÃO

No Brasil, a quase totalidade dos concentrados (rações) para equinos adota como fonte de energia o amido. Nessa pesquisa somos alertados para as consequências bioquímicas no organismo e sistema digestório dos Equinos sobre o processamento desta energia e quais as possíveis fontes alternativas de melhor qualidade.
Muitas vezes os treinadores e cavaleiros de animais de alta performance recorrem à suplementações energéticas que trazem justamente outras fontes.
A questão é, se não seria melhor para a qualidade de vida dos cavalos, se os fabricantes de rações (aquelas com “grife” ou não), não poderiam implementar a substituição gradativa destas fontes ou lançarem linhas diferenciadas para cavalos de alta performance que utilizem destas fontes mais nobres para o cavalo, porque é claro que existem rações de alta performance, mas eles apenas aumentam a quantidade disponível de grãos ou amido nestas fórmulas, o que aumenta a incidência de casos de úlcera gástrica e outros problemas.. como fica demonstrado nesta excelente pesquisa coordenada por Joe D. Pagan no Kentucky.
O debate está aberto com objetivo de melhorarmos a qualidade de vida e o metabolismo dos cavalos de alto desempenho.

APRESENTAÇÃO

Quando se trata de necessidades nutricionais, o desempenho dos cavalos está em uma classe própria.
Éguas de reprodução precisam de grandes quantidades de proteína de alta qualidade e minerais para crescer um grande potro saudável durante a gestação e produzir galões de leite rico em nutrientes diariamente durante a lactação.
Da mesma forma, jovens cavalos requerem muita proteína e minerais para adicionar centenas de quilos de músculo e ossos durante seu primeiro ano de vida.
Cavalos de alto desempenho devem produzir uma coisa..—locomoção rápida por mais tempo…–e isso requer muita energia. Enquanto eles certamente têm um requisito para outros nutrientes, e a dieta formulada para alto desempenho dos cavalos geralmente começa e termina com energia.
Os cavalos selvagens, sobreviveram por pastejaento em pastagens de qualidade relativamente pobre. Seu sistema digestivo evoluiu para utilizar eficientemente este tipo de dieta, mas suas exigências nutricionais também foram bastante baixas.
Muitos cavalos atletas de alto desempenho de hoje têm requisitos de energia que não podem ser satisfeitos por forragem sozinha. Este artigo vai rever as melhores fontes de energia para os cavalos de desempenho e fazer recomendações sobre como minimizar os problemas relacionados com a alimentação.

GERAÇÃO DE ENERGIA DURANTE O EXERCÍCIO

Cavalos de desempenho executam uma ampla gama de intensidades de exercício e durações diferentes. Isto pode variar de alta velocidade de corrida em velocidades até 40 mph (64 km/h) para distâncias curtas, a endurance racing (enduro equestre) em velocidades de 11 a 15 km/h (18-25 km/h) por 100 milhas (160 km) elaborar o trabalho onde cavalos puxar ou carregam pesos e cargas por quantidades variáveis de tempo. A força motriz básica por trás de todos esses diferentes tipos de equinos de desempenho é a conversão de energia quimicamente ligada da alimentação em energia mecânica para músculos e movimento.
Porque os cavalos não comem continuamente enquanto exercem suas tarefas, a alimentação de energia deve ser armazenada no corpo do cavalo para posterior liberação.
Existem várias formas diferentes de armazenamento que o cavalo pode utilizar, incluindo glicogênio intramuscular e triglicerídeos e extramuscular depositado em “lojas” tais como o tecido adiposo e fígado – glicogênio.
Muitos fatores determinam a proporção de energia derivada de cada forma de armazenamento, incluindo velocidade e duração do trabalho, alimentação, fitness, composição da fibra muscular e idade do cavalo.
A Capacidade de trabalho varia de acordo com a taxa à qual energia (adenosina trifosfato, ou ATP) é fornecida para ser utilizada pelos músculos para realizar as contrações. A maneira mais direta da ATP ser liberada é pela clivagem de creatina fosfato (CP).
No entanto, desde que o músculo contém apenas pequenas quantidades de CP e ATP, os suprimentos são exauridos depois de uma curta duração do exercício. O exercício prolongado não seria possível, a menos que houvesse maneiras para ATP ser ressintetizada no mesmo ritmo em que foi usada.
Duas reações são fundamentais para ressintetizar ATP.
* Na primeira, a fosforilação oxidativa decompõe carboidratos, gorduras e proteínas em energia (ATP), com a participação de oxigênio. O uso de oxigênio isto qualifica como uma reação aeróbica.
* Na segunda, a glicólise quebra a glicose ou glicogênio em ácido láctico. Esta reação não usa oxigênio e é do tipo anaeróbico.
Grandes quantidades de energia podem ser derivadas da utilização intramuscular (triglicéridos e glicogênio) e combustíveis extracelulares (ácidos graxos livres de adiposo) e glicose do fígado. A quantidade total de combustível armazenada em um cavalo (450 kg) de 1.000 lb é mostrada na tabela 1.

TIPOS DE FIBRA MUSCULAR

O cavalo tem três tipos básicos de fibras musculares:
tipo I,
IIA e
IIB.

Esses tipos de fibra têm diferentes características contráteis e metabólicas (veja na tabela 2).
Fibras do tipo I são fibras lento-contratantes, enquanto tipos IIA e IIB são para contrações rápidas. O tipo I e fibras IIA têm uma alta capacidade oxidativa e podem, portanto, utilizar combustíveis por via aeróbica, enquanto tipo IIB fibras têm uma baixa capacidade aeróbica e tendem a depender de glicólise anaeróbica para geração de energia. Todos os três tipos de fibra são muito ricos em glicogênio, enquanto um único tipo I e II tem armazenamento de triglicérides (gorduras).

UTILIZAÇÃO DE SUBSTRATO DURANTE O EXERCÍCIO

A quantidade de ATP usada por um músculo depende diretamente de quão rápido ela está se contraindo. Enquanto caminhava, os músculos contraem-se muito lentamente e gastam relativamente pequenas quantidades de ATP. Durante este tipo de exercício, as fibras de tipo I principalmente são recrutadas e a geração de energia é inteiramente aeróbica.
A esta velocidade, o músculo queima gordura predominantemente. Depósitos de gordura são abundantes, e podem ser mobilizados e metabolizados rápido o suficiente para regenerar a quantidade de ATP que é usado em uma caminhada.
Como aumenta a velocidade de uma caminhada de um trote e para um canter, as fibras de tipo I sozinhas já não são capazes de contrair rapidamente o suficiente impulsionar o cavalo. Neste ponto, as fibras de tipo IIA também são recrutadas. Estas fibras também são aeróbicas, mas eles usam uma combinação de glicogênio e gordura para a geração de energia. Glicogênio (ou glicose) pode ser metabolizado por via aeróbica duas vezes mais rápido que a gordura para a geração de ATP e em aumentos de velocidade, a gordura torna-se simplesmente um combustível muito lento para geração de energia.
Quando o cavalo aumenta a velocidade de um galope rápido, as fibras tipo IIB são recrutadas e a geração de energia já não permanece puramente aeróbica. Entra a Glicólise anaeróbia que é a via metabólica mais rápida disponível para gerar ATP e o cavalo deve depender fortemente dela para manter altas taxas de velocidade.
Glicólise anaeróbica, no entanto, resulta em acúmulo de ácido láctico e a fadiga logo se desenvolve e o pH do músculo começa a cair.
O cavalo de resistência normalmente viaja a velocidades que podem ser mantidas quase inteiramente através de geração de energia aeróbica.
Apenas durante a escalada de uma colina e por intervalos curtos a demanda de ATP do cavalo também é ótimo para regeneração aeróbica. Fadiga em cavalos de resistência é muito mais provável que resultam de depleção do glicogênio do que de acúmulo de ácido láctico.
Em Cavalos de corrida, e muitos dos cavalos ocidentais de alto desempenho exercem atividades em intensidades muito mais elevadas.
Estes cavalos dependem fortemente da glicólise anaeróbica para geração de energia e a fadiga é mais provavelmente como resultado de depleção de acumulação, ao invés de glicogênio ácido láctico.

A Utilização de substrato no cavalo pode ser investigada por meio de técnicas de biópsia de ambos, do músculo e do fígado. Essas biópsias são seguras e podem ser tomadas várias vezes para determinar quanto glicogênio muscular é usado em diferentes intensidades de trabalho. Além disso, as substâncias no sangue e gases respiratórios pode ser usado para pintar um quadro metabólico de utilização de substrato durante as diferentes intensidades de exercício.
O músculo glúteo médio é o músculo mais conveniente para biópsia, ao estudar a utilização de substrato intramuscular. Este músculo normalmente contém entre 500 e 700 milimoles (mmol) de glicogênio por quilograma (kg) de peso seco. Durante exercícios de resistência, cavalos normalmente usará glicogênio muscular em uma taxa de 0,5 a 1,5 mmol/kg/min. O restante da energia gerada a esta velocidade vem da oxidação de gordura. Como a velocidade aumenta, aumenta a utilização de glicogênio muscular. A uma velocidade de cerca de 650 metros/min (um 02:25 milhas), produção de ATP já não pode ser completamente satisfeita pelas vias aeróbias. Neste ponto, vias anaeróbias tornar-se uma importante fonte de energia. No deslocamento para este tipo de produção de energia, o uso de glicogênio e o acúmulo de ácido láctico aumentam exponencialmente.

Glicogênio muscular
Figura 1. Glicogênio muscula r usado por minuto em relação à velocidade.

A Figura 1 mostra a quantidade de glicogênio muscular usado por minuto em relação à velocidade. Estes dados são compilados a partir de um número de diferentes raças. Observe que quando o cavalo corre em velocidades de menos de 650 metros/min, muito pouco glicogênio é usado. No entanto, quando a velocidade é aumentada, o cavalo cruza o que é conhecido como seu “limiar anaeróbico” e a utilização de glicogênio muscular aumenta dramaticamente.
A razão básica para este aumento é que a utilização de glicogênio anaeróbico é 12 vezes menos eficiente do que o aeróbico na utilização de glicogênio. Quando o glicogênio é metabolizado por via aeróbica, 36 ATPs são produzidos, mas quando Glicogênio é metabolizado anaerobicamente, apenas 3 ATPs são produzidos e (2 moléculas de lactato também são produzidas).

CONSIDERAÇÕES DE ENERGIA DIETÉTICA

Energia dietética é geralmente expressa em termos de megacalories (Mcal) ou megajoules (MJ) de fácil digestão de energia. A Energia digestível (DE) refere-se à quantidade de energia na dieta que é absorvida pelo cavalo, e a exigência de um cavalo é calculada com base na exigência da manutenção DE mais o adicional de energia gasta durante o exercício. Basicamente, DE pode ser fornecida por três diferentes fontes de dieta energética: carboidratos, gordura e proteína.

HIDRATOS DE CARBONO NA ALIMENTAÇÃO DO CAVALO

Os carboidratos em rações equinos podem ser Categorizados por qualquer um, sua função na planta ou pelo menos como eles são digeridos e utilizados pelo cavalo. Do ponto de vista de planta, hidratos de carbono caem em três Categorias:
(1) açúcares simples – ativos no metabolismo intermediário da planta;
(2) compostos armazenados como sacarose, amido e frutoses; e
(3) carboidratos estruturais tais como a pectina, celulose e hemicelulose.
Para o cavalo, é mais apropriado classificar os carboidratos por onde e quão rápido eles são… digeridos e absorvidos
.
Carboidratos podem ser digeridos e/ou absorvidos como monossacarídeos (principalmente glicose e frutose) no intestino delgado, ou eles podem ser fermentados no intestino grosso para produzir ácidos graxos voláteis ou ácido lático. A taxa de fermentação e tipos de produtos finais produzidos são bastante variável e pode ter efeitos significativos sobre a saúde e o bem-estar do cavalo.
Seria um sistema fisiologicamente relevante para categorizar os carboidratos em dietas de equinos: (1) A
Grupo hidrolisável (CHO-H) medido por análise direta que produz açúcares (principalmente glicose) para o metabolismo.
Isso inclui alguns amidos que são facilmente digeridos, sacarose e açúcares simples no intestino delgado e produzem flutuações no sangue gerando glicemia pós-alimentar, (2) um grupo rapidamente fermentável (CHOFR) que produz principalmente o lactato e propionato. Este grupo inclui amidos que escapam à digestão no intestino delgado, bem como galactanos, frutanos , mucilaginosos e pectina. (3) que são lentamente fermentáveis do Grupo (CHO-FS) que produzem principalmente o acetato e butirato. Este grupo inclui os compostos capturados em fibra detergente neutra (FDN) como celulose, hemicelulose e lignocelulose.

CARBOIDRATOS HIDROLISÁVEIS (solúveis em água)

Os Carboidratos hidrolisáveis (CHOH) são um componente importante da dieta de equinos, particularmente para o cavalo de alto desempenho, em que a glicose sanguínea serve como substrato principal para a síntese de glicogênio muscular. Muita glicose no sangue, no entanto, pode contribuir para ou agravar certos problemas em cavalos como recorrentes rabdomiólise equina (RER) e miopatia de armazenamento do polissacarídeo (PSSM). Pode também adversamente afetar comportamento em certos indivíduos.
A quantidade de glicose produzida no sangue em resposta a uma refeição é uma medida útil de CHO-H de um conteúdo alimentar. A tabela 3 contém o índice glicêmico de vários tipos de alimento para equinos, medido no Kentucky Equine
PESQUISA KER (Kentucky Equine Research).

Índice glicêmico caracteriza a taxa de absorção de carboidratos, após uma refeição e é definida como a área sob a curva de resposta de glicose após o consumo de uma quantidade medida de um teste de ração dividida pela área sob a curva após o consumo de uma refeição de referência, no presente caso, a aveia.

A fração de CHO-H, principal fonte, em rações de desempenho é o amido, um carboidrato composto de um grande número de moléculas de glicose. É o principal componente dos grãos de cereais, contendo 45 a 70% de matéria seca do grão.
Dos grãos comumente usados na alimentação dos cavalos, o milho tem o maior teor de amido. O amido é um fonte de energia versátil para o cavalo de alto desempenho. Cavalos quebram o amido em unidades de glicose no intestino delgado, onde é absorvida para o sangue. Uma vez no sangue, estas unidades de glicose podem ser usadas para um número de diferentes finalidades:
(1), que podem ser oxidados diretamente para produzir ATP; e de glicose no sangue
(2) pode ser usado para fazer o glicogênio muscular, fígado glicogênio ou gordura corporal.
Glicogênio muscular é um importante combustível para geração de energia durante o exercício. Além disso, o glicogênio é armazenado no fígado onde está disponível para a produção e liberação de glicose no sangue durante exercício. Manutenção de níveis de glicose no sangue durante o exercício é de primordial importância, uma vez que a glicose é o principal combustível disponível para o sistema nervoso central. Hipoglicemia é outra causa potencial de fadiga em exercido cavalos.
O amido é a fonte de energia na dieta de escolha para a síntese de glicogênio porque a digestão do amido resulta em um aumento direto da glicose no sangue e insulina, dois dos mais importantes fatores envolvidos na síntese de glicogênio.
Carboidratos são rapidamente fermentáveis. Duas fontes de energia alternativa interessante para os cavalos de alto desempenho são a beterraba, a casca de soja e a celulose. Ambos contêm uma elevada percentagem de carboidratos rapidamente fermentáveis (CHO-FR), principalmente a pectina, que é um substrato gliconeogênicos importante para o cavalo.
A Fermentação rápida de amido não digerido de cereais, no entanto, pode também produzir ácido láctico, o que pode levar a uma cascata de eventos que culminam em laminite, e os mais prováveis compostos contribuem para acidose láctica no intestino grosso. Quando as refeições para alimentação dos cavalos, são à base de grandes grãos, uma porção do amido pode escapar à digestão no intestino delgado e rapidamente fermentar no ceco e cólon. Ácidos graxos voláteis (AGV) e aumentos de produção de ácido láctico, causando uma significativa diminuição do pH.
O Ácido láctico é um ácido mais forte do que o AGV e pode causar irritação ou danos na mucosa intestinal. Em casos graves, o lactato pode contribuir entre 50 e 90% dos ácidos totais no intestino posterior. Além disso, o acúmulo de ácido láctico aumenta a permeabilidade da mucosa intestinal grande de toxinas e moléculas maiores que foram implicados no desenvolvimento da laminite.
Um deslocamento para baixo no pH fornece um ambiente desfavorável para muitos bacilos responsáves fermentação das fibras, prejudicando os microorganismos que habitam o intestino grosso. Em particular, as bactérias tais como Ruminococcus albus e Fibrobacter succinogenes são sensíveis a precipitada diminuição no pH. Para um desempenho ideal, estas bactérias se favorecem em um ambiente com um pH entre 6,5 e 7,0. Quando o pH cai abaixo de 6.0, a digestão da fibra pelas bactérias se torna menos eficiente e elas começam a morrer.
Em contraste com bactérias para digestão das fibras, a produção de lactato e lactato-utilizando bactérias prosperam em um ambiente com um baixo pH. Certos microorganismos como Streptococcus bovis realmente mudam seu metabolismo e produzem ácido láctico ao invés de VFA quando expostos à condições ácidas, servindo apenas para agravar o problema. Alterações no pH do intestino posterior devido a alterações nas populações microbianas e perfis de ácido pode resultar em acidose de intestino grosso (HGA).
Cavalos com HGA podem desenvolver anorexia, cólica ou comportamentos estereotipados como mastigar madeira… Além disso, a exposição prolongada a pHs abaixo 5.8 começará a ter efeitos deletérios o revestimento epitelial das paredes do cólon e cecal, que por sua vez pode afetar a capacidade de absorção.
Acidose ruminal é um problema comum em bovinos leiteiros alimentados com dietas de alto grão. Bicarbonato de sódio é muitas vezes adicionado à ração de uma vaca como um buffer para atenuar a queda do PH ruminal que a diminuição alimenta ingestão e produção de leite. Bicarbonato de sódio também foi mostrado para ser eficaz no tratamento de HGA em cavalos quando ele é infundido diretamente, o ceco através de fístula cecal.
Infelizmente, uma alimentação crua de bicarbonato de sódio para cavalos é ineficaze devido à anatomia do seu trato gastrointestinal. Idealmente, o sódio bicarbonato deve ser protegido de modo que é entregue para o intestino grosso intactas. Kentucky Equine Research (KER), em conjunto com a Balchem Corporation, desenvolveu recentemente um encapsulado de bicarbonato de sódio
(EquiShure®) que sobrevive de trânsito através do estômago e intestino do cavalo. KER, realizaram uma série de estudos para avaliar o efeito da EquiShure® no HGA em cavalos alimentados com altos níveis de amido ou de frutanos. Em um estudo, seis puros-sangues em formação foram alimentados com uma dieta basal dealimentos doces, feno de capim de Timóteo e 50 g de sal solto por dia. Ingestão de grão variou de 4 a 6 kg por dia. Os cavalos foram divididos em dois grupos e atribuídos a um dos dois tratamentos. Os tratamentos foram 168 g/dia de EquiShure® ou a dieta basal (grupo controle). Cavalos trocaram tratamentos por período 2. Os dois as porções de feno e grãos da dieta foram divididas em duas refeições iguais. Metade da EquiShure® (84g) foi adicionado para cada refeição de grão.
Amostras fecais foram tiradas em intervalos de 2 horas por um período de 8 horas no dia 15 de cada período e analisadas para ácidos graxos voláteis (VFAs), pH e concentração de L – e D-lactato. PH fecal no grupo controle diminuíram significativamente da linha de base 6 horas pós-alimentação (Figura 2). PH fecal na EquiShure® grupo não apresentam nenhuma flutuação significativa durante o período de amostragem de 8 horas. Fecal de L-lactato e D-lactato foram significativamente maiores (P < 0.05) post alimentando no grupo controle em comparação com o Grupo de EquiShure®. VFAs fecais foram significativamente maiores (P < 0,05) na EquiShure®-completada grupo, sugerindo um ambiente mais favorável para as bactérias da fermentação da fibra. EquiShure® foi eficaz em atenuantes o HGA resultante da ingestão de dieta com alto teor de grãos em cavalos puro-sangue de alta performance. CARBOIDRATOS FERMENTÁVEIS LENTAMENTE

Os Carboidratos fermentáveis lentamente (CHO-FS) da célula vegetal são absolutamente essenciais para manter um ambiente saudável e microbiano no cavalo. Desde o intestino adequado é essencial para a saúde e o bem-estar do cavalo, forragens ricas em fibras deve ser considerada a base de um programa de alimentação do cavalo de alto desempenho. Cavalos de desempenho devem ser alimentados com 15-20 lb (7-9 kg) por dia de feno de capim limpo como Tifton 85 ou feno OAT. 2 a 4 lb (1-2 kg) por dia de feno de alfafa também pode ser oferecido. Esse nível de ingestão de feno atenderá a manutenção das exigências do cavalo de alto desempenho e ajuda a proteger contra úlceras gástricas e cólicas.

ANÁLISE DE CARBOIDRATOS

Carboidratos em rações de cavalo tradicionalmente foram estimados através da medição de componentes da parede celular como FDN (fibra detergente neutra) e calcular o restante carboidrato por diferença como carboidratos com pouca fibra (NFC), onde NFC = 100 – gordura água – proteína – – cinza – FDN. Mais recentemente, os laboratórios têm fornecido uma análise direta de carboidratos adicionais em rações equinos.
A tabela 4 contém a composição química de vários alimentos para equinos comuns como analisado por Equianalytical
Laboratórios em Ithaca, NY. Além de FDN e os valores calculados da NFC, tabela 4 contém níveis medidos de açúcares solúveis em água (WSS) e amido.

A soma do WSS e amido é considerada os carboidratos não-estruturais (NSC) WSS em grãos de cereais e subprodutos como polpa de beterraba sacarina são compostos de açúcares simples que produzem um pronunciado glicêmico resposta e ajuste para a categoria de CHO-H. Por outro lado, são na verdade, grande parte do WSS em gramíneas de clima temperados frutanos, que deveriam ser incluídos na fração de CHO-FR. Portanto, têm pouco efeito como resposta glicêmica, mas podem contribuir para o desenvolvimento da acidose no intestino grosso e laminite. O amido é a fração de carboidrato predominante em grãos de cereais.
Embora todos amidos são compostos de cadeias de glicose, como a molécula de amido é construída, ela varia em diferentes tipos de grãos. Estas diferenças na arquitetura dos amidos individuais têm um grande impacto sobre o quão bem eles são digeridos no intestino delgado do cavalo. Dos grãos mais comumente usados na alimentação para cavalos, a aveia contêm a forma mais fácil digestão do amido, seguido de sorgo, milho e cevada.
O Processamento pode ter um enorme efeito na digestibilidade prececal, particularmente em milho. Em um estudo da pesquisa KER (Kentucky Equine Research), o vapor de sêmola de milho (extrusão do grão de milho), causou um aumento de 48% na resposta glicêmica em comparação à fissuração grosseira. NSC é uma mistura de CHO-H e Fracções de CHO-FR. NSC tendem a ser maior em CHO-H em grãos de cereais transformados e misturas, mas pode ser alta em CHO-FR em certos cereais não transformados ou alto-frutanos e forragens. O NFC representa um grupo ainda mais misturado de hidratos de carbono, porque além dos compostos encontrado no NSC, eles também podem conter quantidades significativas de pectina e outros compostos fermentáveis não capturada em FDN.
Neste momento, não há nenhum método analítico satisfatório, comercialmente disponível aos hidratos de carbono de segmento em categorias que são fisiologicamente significativas para o cavalo.

GORDURA

Gordura é uma fonte de energia alternativa atraente para ração de cavalo de alto desempenho, fornecendo um grande número de calorias de uma forma concentrada. Mesmo que os cavalos não consomem grandes quantidades de gordura na natureza, eles podem fazer um bom trabalho de digestão de gorduras, especialmente óleos vegetais.
A maioria dos óleos vegetais contêm cadeia longa (16- 18 carbono) e gorduras insaturadas. Essas gorduras são líquidas à temperatura ambiente e são usadas extensivamente como alimentos humanos para cozinhar e óleos de salada. Uma exceção notável é o óleo de coco, que contém um elevado nível de mediumchain gorduras saturadas (carbono 12). As Gorduras animais, por outro lado, tendem a ser mais saturadas do que vegetais óleos e muitas vezes são sólidos à temperatura ambiente. Cavalos tipicamente digerem óleos vegetais melhores do que a gordura animal exemplo a do soro do leite.
Uma vez adaptados, os cavalos digerirão mais de 90% do óleo vegetal em uma ração, mesmo quando inseridas em níveis tão elevados como 500-600 ml por dia. Altos níveis de ingestão de óleo devem ser alcançados lentamente, no entanto, já que alguns cavalos podem desenvolva fezes soltas, gordurosos quando mudei para uma dieta de alta do óleo também rapidamente.
A densidade de energia de óleos vegetais é bastante elevada, com média de cerca de 2,25 vezes o de amido.
Óleo vegetal tem cerca de 2,5 vezes mais energia muito digerível (DE) como a do milho e 3,0 vezes mais DE que a aveia. Devido à sua alta digestibilidade, a gordura é uma fonte de energia muito seguro. Mesmo se algum óleo escapa a digestão no intestino delgado, não causará grandes perturbações da fermentação no intestino posterior porque as bactérias não podem fermentar óleos de cadeia longa.
O nível de óleo, incluído em uma ração vai depender principalmente que o cavalo está a fazer. Cavalos que são submetidos a trabalho leve montado ou usado predominantemente para exigir menos óleo em suas rações. Menos de 70-80 ml de óleo por dia, terá um efeito benéfico sobre a pelagem do cavalo, mas só irá fornecer cerca de 2,5% de um submetido a exercicio moderado. Níveis mais elevados de consumo de óleo são necessários para um exercício mais vigoroso. A cavalos em treinamento pesado deve receber cerca de 400 gramas (~ 450 ml) de óleo vegetal por dia. Isto é igual a cerca de 10% do seu total diário DE ingestão e cerca de 18-20% do DE fornecido pelo concentrado.
Cinco ou seis kg de uma mistura de grãos de gordura de 10% poderia fornecer esse nível de suplementar de óleo vegetal.
Durante o exercício de baixa para moderada intensidade, cavalos fornecem uma grande parte da energia utilizada para contração muscular com oxidação de gordura. Ácidos graxos livres são mobilizados do tecido adiposo e entregues para o trabalho muscular por oxidação. A quantidade de gordura queimada pelo músculo é diretamente proporcional a concentração de AGL no sangue. Suplementação de gordura a longo prazo em combinação com apropriado formação irá resultar em maior mobilização de ácidos graxos livres (FFA) e aumentou a velocidade de mobilização juntamente com uma maior velocidade de absorção de AGL no músculo. Além disso, gordura de alimentação tem uma glicose – e efeito poupador de glicogênio que pode retardar a fadiga durante o exercício de resistência. Um estudo recente realizado por KER com cavalos árabes demonstrado esse efeito económicas. Depois de 10 semanas de suplementação de gordura (10% Fat), os cavalos usaram 30% menos glicogênio muscular e glicose durante um teste de exercício de resistência.
Pesquisadores têm recentemente focado sua atenção duas famílias distintas de ácidos graxos: a família do ômega-3 e a família do ômega-6. A família ômega-3 decorre de ácido alfa-linolênico (ALA), enquanto o família ômega-6 se origina do ácido linoleico (LA). ALA e LA são considerados “ácidos graxos essenciais”
Porque eles são instrumentais no ciclo de vida, ainda que não podem ser fabricados no corpo e deve ser obtidos de fontes dietéticas. Membros importantes da família ômega-3 são o ácido eicosapentaenoico (EPA) e docosahexaenoico (DHA).
As vantagens de suplementar os equinos atletas com ácidos graxos ômega-3 estão vindo à luz. A redução da inflamação das articulações em cavalos mais velhos artríticas foi relatada em cavalos suplementados com Omega-3 ácidos graxos. Cavalos que alimentou o suplemento tinham contagens de fluido sinovial células brancas do sangue mais baixas do que aqueles no grupo de controle, indicando um nível inferior de inflamação.
A suplementação com ômega-3 tem sido a hipótese de reduzir a hemorragia pulmonar induzida por exercício (EIPH) em cavalos. Os pesquisadores relataram a modulação de uma diminuição na membrana dos eritrócitos fluidez durante o exercício em cavalos alimentados com uma dieta enriquecida com DHA e EPA. Resultados preliminares de um estudo em 10 de puro-sangue cavalos na Kansas State University mostraram uma redução do EIPH após 83 e 145 dias uma dieta enriquecida com EPA e DHA, mas não com DHA sozinho.
A composição de ácidos graxos difere consideravelmente em óleos adicionados às dietas de cavalo (tabela 5). Ácido linoleico (LA) é maior em cártamo, milho, soja e girassol, óleos, respectivamente e é menor no óleo de peixe (sábalo), enquanto o óleo de linhaça é rico em ácido alfa-linolênico (ALA). Óleo de peixe tem alcançado popularidade como um componente de alimento equino, líquido em parte à sua concentração de ácidos gordos omega-3 DHA e EPA.

PROTEÍNA
Se o conteúdo de proteína da ração de cavalo excede sua exigência, uma proteína extra pode ser usado como uma fonte de energia. Os aminoácidos da proteína extra são discriminados pelo fígado e o nitrogênio da proteína é excretado como Amônea. Os “esqueletos” de carbono estão à esquerda podem ser oxidados para ATP autogestionária ou usados para fazer uma glicose ou gordura. A Ingestão excessiva de proteínas deve ser evitada em cavalos sem exercícios por um número de razões como necessidades de água…
(1) aumentam com a ingestão de proteína aumentada;
(2) aumento dos níveis de ureia (nenhum sangue levando à maior excreção de ureia), pode aumentar o risco de distúrbios intestinais como enterotoxemia; e
(3) Comitê de Amônia causando uma série de problemas tais como nervo irritabilidade e distúrbios sem metabolismo dos carboidratos. Excreção aumentada de Amônia na urina também pode levar a problemas respiratórios por causa acúmulo de Amônia.
CONCLUSÃO
Como rações de cavalos devem incluir uma mistura de fontes de energia, a este respeito, a moderação é uma chave. Quantidades excessivas de amido devem ser evitadas, pois isso pode levar à cólica, basal, amarrando-se em cavalos. O excesso de proteína pode levar a problemas associados com uma produção de Amônia.
As fibras devem ser incluídas na dieta para manter uma função adequada do intestino grosso. Incluindo uma mistura correta de fontes de energia na ração cavalo devem reduzir os problemas associados com uma alimentação e permitir o cavalo utilizar substratos energéticos mais eficientemente durante os exercícios.


Twitter updates

No public Twitter messages.

Sponsors

  • Mangalarga Marchador
  • Revista Horse
  • Selaria Dias
  • Equipe Fusion