Posted by José Luiz Jorge | março - 12 - 2018 | 0 Comment

Incorporar princípios de aprendizagem equina na prática veterinária

Esse vem sendo desde 2011 o foco dos cursos do Rancho São Miguel para estudantes de Veterinária. Agora a aplicação de princípios da teoria na prática veterinária equina sobre aprendizagem e como pode melhorar a segurança e bem-estar dos cavalos, bem como a satisfação do cliente, é o que nos confirma em artigo  Alexandra Beckstett, a Editora-chefe da Horse Managing (EUA).

O objetivo da modificação do comportamento em cuidados veterinários é reduzir os medos do profissional, o que aciona gatilhos de comportamento de fuga e defesa do cavalo, bem como estimular a adesão voluntaria do Cavalo à sua presença e procedimentos. Na nossa linguagem da roça, saber chegar no cavalo sem ele querer fugir de perto de você… Ah cavalos não são perigosos e não atacam também… apenas preferem fugir e se não tiver como, se defendem quando se sentem ameaçados.

Problemas comportamentais durante procedimentos veterinários não são incomuns. Cavalos que estão assustados, feridos ou não estão familiarizados com um procedimento não só irão demandar mais tempo para serem examinados, mas também podem constituir um risco de segurança para os profissionais envolvidos.

Nos últimos anos, pesquisadores identificaram uma possível ligação entre os veterinários com limitada compreensão dos princípios da aprendizagem do Cavalo e a alta incidência de lesões na prática de equina.

Então, para ajudar os profissionais a reduzir comportamentos problema e medo e promover cuidados veterinários positivos, Robin Foster, PhD, CAAB, CHBC, descreveu técnicas de modificação de comportamento baseadas em princípios do aprendizado do equino, em 2017 na  Convenção de praticantes da Associação Americana de Equinos realizada de 17 a 21 de novembro em San Antonio, Texas.

Os benefícios de incorporar princípios de aprendizagem prática equina são muitos:

-pode reduzir os custos veterinários (por exemplo, menos sedação, menos visitas para começar o trabalho feito),

-promover cuidados positivos,

-eliminar comportamentos problema,

-melhorar o bem-estar de equino e reduzir o risco de lesão humana.

E tudo começa com a fonte de aversões processuais: o medo.

“Medo e ansiedade são a causa raiz de problemas de comportamento com cuidados veterinários, incluindo não dar o e pé  para exame; intrometendo-se ou empurrar; recusando-se a entrar em uma sala de exame ou trailler; afastar-se  da aproximação, negar fortemente a cabeça, murchar as orelhas, morder, chutar, golpear com manotaços” disse Foster. “Esses comportamentos são muitas vezes inadvertidamente reforçados pela liberação de pressão (chamado de reforço negativo) e serão repetidos”.
Por exemplo, se um cavalo ansioso puxa para trás durante uma recolha de sangue e, assim, retarda o processo, ele vai continuar com esse comportamento defensivo, pois é eficaz, já que o profissional sem saber ler e sentir o cavalo, alivia a pressão na hora errada.

O objetivo da modificação do comportamento em cuidados veterinários, disse Foster, é reduzir o medo do profissional que aciona gatilhos de comportamentos indesejados do cavalo, bem como aprimorar a conformidade. Para fazer isso, ela descreveu várias técnicas veterinários podem usar.

Reduzir a excitação Muitas vezes não reconhecemos os sinais de um iminente problema até um cavalo “explode”. Portanto, é importante conhecer e estar pronto a ver o mundo como um cavalo ve, usar a linguagem corporal dos cavalos para os primeiros sinais de medo e ansiedade.

O cavalo por sua natureza de predado na natureza, sente medo diante do medo do profissional que maneja ele.

Pessoas com medo, mesmo sem fazer nada, liberam adrenalina, hormônio cujo cheiro o cavalo sente, e na memória genética do cavalo está gravado que esse cheiro é perigoso, por ser o mesmo cheiro que a onça e o lobo liberam quando atacam suas presas a campo. Ora, se seu cheiro traz informação de perigo, você quer que o cavalo reaja como?

Nos nossos cursos, nós ensinamos como isso funciona e como você deve agir diante de um cavalo assustado.

Cavalos tem direito sagrado de se protegerem de nós, e cabe a nós lidera-los e mostrar que não estão em perigo ao nosso lado, mas essa atitude não pode ser contraditada por um medo difuso que libera o cheiro do perigo… faz sentido?

“A linguagem corporal pode revelar informações sobre excitação e estado emocional antes dos atos do cavalo,”, disse Foster. “Atenção às expressões faciais (incluindo rugas nos olhos, a posição da orelha, a boca e a tensão facial, narinas dilatadas). 

Observar isso é importante porque os seres humanos são bons em reconhecer expressões e no manejo não é possível ver todo o corpo do cavalo o tempo todo.”

Mas um olho arregalado,orelhas para trás, retesar o pescoço e subir a cabeça lá  onde vc não alcança são sinais iminentes de explosão de fuga. Aqui você aprende a ler o cavalo e a tomar a melhor decisão nestas situações

Depois que um veterinário aprende a identificar a excitação, ele ou ela pode tomar medidas para criar um ambiente mais relaxante para o paciente. Escolha um local familiar mas neutro (aquele que não tem sentido para o cavalo, ou seja, ele não associa-lo com experiências negativas, como castigo, ou com os positivos, tais como a hora da refeição) que é tranquilo, com poucas distrações em que para realizar os procedimentos, disse Foster.

Com cavalos particularmente assustados ou turbulentos, o veterinário pode usar no local do procedimento um cavalo auxiliar — um amigo familiar, calmo que pode atenuar o estresse através de buferização social — para promover o relaxamento, ela acrescentou, colocando-o nas proximidades. Ou ainda pode aprender a manter-se calmo e assertivo e assim acalmar o cavalo antes de agir.

Habituação e sistemática

“A experiência veterinária inicial pode ter um efeito profundo e duradouro sobre o comportamento futuro,”, disse Foster.
Pegue uma seringa, por exemplo. Inicialmente é um estímulo neutro e inofensivo. Só ganha significado quando provoca dor e desconforto, no ponto em que o cavalo aprende a temer e evitá-lo. Então, esse cavalo pode aprender a temer e evitar o veterinário e seu cheiro, caminhão, clínica ou equipamentos através da associação com a seringa, também. Nesse cenário, a prevenção através da habituação e aclimatação é o melhor remédio, disse Foster.

Para fazer isso, expor gradualmente cavalos novos ou levemente aversive objetos ou situações. Habituação é um processo neurológico, ela explicou, então se você apresentar um estímulo repetidamente, comportamento de resposta do cavalo deve tornar-se mais fraco.

Dessensibilização sistemática

Essa técnica — ajudar a desaprender os medos de objetos, por si sós inofensivos ou situações através de uma  exposição gradual, progressiva, para o processo de superação de um cavalo — é mais comumente usada para tratar medos existentes, disse Foster.

“O cavalo não deve sentir desconforto ou dor,” ela disse. “Comece com uma intensidade fraca, menos ameaçadora e aumente-a gradualmente.

Condicionamento afirmativo

Este processo de condicionamento clássico envolve um estímulo de um procedimento ou situações temidas, com uma surpresa agradável, com o objetivo de substituir um comportamento problema baseada no medo por um descontraído de emparelhamento e adesão.

Esfregar suas costas e fazer massagem ( como um grooming) também podem ser eficazes distrações positivas.

Um cavalo de”auxiliar” pode ajudar a manter um paciente quieto durante o tratamento. |

Ofuscando

Esta técnica envolve liderar ou pisar o cavalo e para trás com determinação ao apresentar um estímulo temido. “O movimento ‘ofusca’ e impede que a resposta de evasão,”, disse Foster. Ela explicou que isto pode ser eficaz com cavalos que são medrosos durante procedimentos, tais como injeções ou recorte, mas requerem um hábil manejador, aquele que sabe aumentar a pressão e ceder em seguida, colocando ao mesmo tempo limite, para fazer isso, confiança, energia baixa, e calma são essenciais.

Reforçar comportamentos desejados

“A maneira mais eficaz de mudar comportamento é para reforçar o comportamento que você quer e não o comportamento indesejado,”, disse Foster.

Como alternativa, se o cavalo tenta vir para a frente quando o veterinário se aproxima com uma seringa, ele ou ela deve manter a seringa na posição constante (se for seguro fazê-lo), movendo-se com o cavalo e só tirar a seringa quando o cavalo para de se mover.

Este exemplo de reforço negativo “irá reforçar o comportamento desejado de ficar parado, mas não o comportamento indesejado de afastar-se.”

Evitar a punição ,

“Na prática, comportamentos baseados em medo são muitas vezes punidos com métodos fortes, dolorosos e conflituosos, que é o que maioria dos profissionais despreparados faz, o que só reforça e jusitifca a reação de medo incluindo puxar uma vara; balançando um chicote ou corda; acentuadamente a gritar com o cavalo; e isso tudo é negativamente marcante para o cavalo,”disse Foster.

Punição, no entanto, não aborda o medo na raiz de um problema. Em vez disso, ela disse, apenas valida o medo do cavalo e adiciona sua presença e seu cheiro à uma experiência desagradável. Cavalos tem memória de elefante e memória associativa a cheiros e sons. E hoje também sabemos, eles sabem ler nossa expressão facial.

“A utilização repetida da punição pode também levar a… um agravamento do problema de comportamento, com maior intensidade e o cavalo se antecipa a isso, não só nos cuidados veterinários. Assim um profissional despreparado estraga um cavalo, às vezes feito desde cedo com base em confiança e cooperação.

O Horsemanship é uma ferramenta de reciclagem inclusive para veterinários experientes e formados em gerações passadas sem preocupação em ser pró ativos com o bem estar comportamental. Aqui no Rancho São Miguel – Núcleo de Horsemanship é proibida qualquer contenção por dor ou castigo. Sequer dispomos e proibimos a entrada do chamado pito ou cachimbo.

Retenção mínima de uso

Para manipulação de baixa-tensão, Foster recomenda usar o mínimo de restrição possível. No entanto, retenção muitas vezes desempenha um papel importante na gestão de comportamento de cavalo. Métodos menos estressantes incluem  voce aprender a conversar o cavalo,fazer sons com a boca que os acalmem e, para procedimentos particularmente dolorosos, usar a sedação.

“Eles devem apenas ser usados se o procedimento veterinário não pode ser adiado,” acrescentou.

Mensagem para levar para casa

Foster disse que a aplicação destes princípios de aprendizagem na prática pode melhorar a segurança e bem-estar de equino, bem como a satisfação do cliente. Usado pelo proprietário do cavalo nas visitas veterinárias e ao longo do tempo de vida de um cavalo, eles devem reduzir problemas de medo, ansiedade e comportamento dos animais.

Na pratica aqui, dos 76 equinos hospedados conosco, nenhum tem bardas defensivas. Mas os procedimentos são feitos no tempo de cada cavalo, e os profissionais que atendem aqui sabem disso e os que estagiam aprendem isso, assim como os estudantes que vem fazer curso de extensão de prática equina.

Eles também são importantes porque “veterinários profissionais deveriam servir de exemplo para os proprietários e o público em geral sobre como lidar corretamente com animais de uma forma segura e humana”, ela disse.

Costumo dizer aos veterinários que vem ao Rancho, que atender aqui é mais complexo, porque espero que eles tragam contribuições e conhecimentos novos, para mim e minha equipe, mas via de regra é o contrário que se passa, e eles aqui percebem que existe outro modo de fazer os procedimentos melhor do que estão habituados a fazer lá fora. O desafio é admitirem que só foram treinados a usar contenção física, repetem a bobagem de que cavalos são perigosos e não admitem facilmente que, o que os torna “perigosos”  por preferirem fuga e defesa é justamente o cheiro de medo com que são abordados.

Esse artigo foi baseado no texto de Alexandra Beckstett, Editora-chefe do The Horse . Ela é de Houston, Texas, é dona de um cavalo, é formada na Universidade de Duke


Twitter updates

No public Twitter messages.

Sponsors

  • Mangalarga Marchador
  • Revista Horse
  • Selaria Dias
  • Equipe Fusion